Uma constelação dá voz ao Coronavírus

março 20, 2020 Por Ana Carvalho 0

O que narramos a seguir na íntegra foi um encontro de Constelação Familiar realizada pela consteladora e professora do Instituto Imensa Vida, Auzenir Campos Araújo.

Recebi a narrativa da Constelação das mãos da também consteladora Lílian Kuña Karai, da Irum Tecendo Saberes, a quem agradecemos.

Acreditamos que, ao registrar essa vivência, damos voz para que haja o entendimento da mensagem que o Coronavírus quer deixar à humanidade.

Por isso, ao contrário do que preconiza Bert Hellinger ao dizer que não se comenta detalhes da Constelação, nesse caso a reverberação da mesma fará com que possamos refletir sobre nosso papel individual diante da coletividade.

“Nós somos menores, a Terra é maior”. Foi essa fala sistêmica que nos ressoou na alma ao ler a vivência realizada. O ser humano precisa se voltar ao outro humano, reconectar-se com sua essência, entendendo ser ele mesmo um dos componentes da natureza, mas não o único, nem maior, nem melhor.

A Constelação

“Aos dezessete dias de março de 2020, constelamos o COVID 19- CORONAVÍRUS. Estávamos, entre 9 amigos, mas sentíamos como se toda a população mundial estivesse presente. De maneira singela e sem pretensões – a não ser a de sermos úteis nesse momento de tantas buscas por esclarecimentos e soluções.

Iniciamos a constelação com as figuras ocultas: vírus, população, morte, medo, vida, amor, medidas de segurança, mídia e a ajuda necessária/solução.

Conectados no amor e somente por ele, cada um de nós, seguimos os movimentos ocultos, daqueles papéis.

Diversas sensações, sentimentos, palavras foram aparecendo e podemos ver na etapa diagnóstica como os representantes sentiam o campo do CORONAVÍRUS.

Coronavírus olhava para a morte sem poder de combate

Nesta primeira etapa, o VÍRUS olhava para a MORTE, porém estava travado, não tinha poder de combate, não alcançava nada. Enquanto isso, a MORTE estava serena e calma.

A VIDA, no movimento de sentir todos os antepassados, tentava a todo custo proteger as pessoas e por isso andava em volta de todos. A MÍDIA, por sua vez, surgiu com imponência e superioridade, buscando destaque. O MEDO se aliou à MÍDIA, concedendo mais força.

Amor chorava sem cessar

O AMOR estava adoecido…triste…chorava sem cessar…. A AJUDA NECESSÁRIA buscava nos céus forças e trazia para o coração, como se dali, somente dali, encontrasse a esperança, o retorno à essência perdida, a reconexão com o todo. Assim seguia a AJUDA NECESSÁRIA … olhando para a tristeza do amor e da população que estava aflita e desesperada.

Percebemos que o isolamento, a quarentena, não disse nada, se mantendo inerte em seu papel. Vimos que nesta etapa ele, o CORONAVÍRUS, não estava a serviço da morte, mas via nela e nas MEDIDAS DE SEGURANÇA formas de transformação de hábitos e comportamentos de alienação e medo. As MEDIDAS DE SEGURANÇA só teriam efeito se houvesse uma reconexão, movimento interno para olhar “para dentro”.

Na segunda etapa, os mesmos papéis foram reapresentados, de forma oculta como foi a primeira. Cada um de nós tirava um papel e, sem saber o que estava escrito, seguia os movimentos.

População e ajuda necessária se encontram

Neste momento, a conexão maior foi entre a POPULAÇÃO e a AJUDA NECESSÁRIA. A POPULAÇÃO, que antes estava aflita, tenta se conectar com a AJUDA NECESSÁRIA e clama por ela.

A princípio dançando, acenando, clamando, pulando e gritando… desesperada até o ponto em que a AJUDA NECESSÁRIA se vira ao seu favor, elevando suas mãos. Então, o MEDO cede… transmitindo cuidado em volta do planeta…ergue suas mãos para a POPULAÇÃO, a contendo.

A POPULAÇÃO sente a contenção…sente também a força que vem da AJUDA NECESSÁRIA que se mantém centrada… meditando…recolhendo-se em comunhão e união com o Divino.

Após o grito de socorro da POPULAÇÃO, a AJUDA NECESSÁRIA se ergue e com a força do AMOR, estende as mãos em direção da POPULAÇÃO que está sendo amparada pelo MEDO e finalmente acalma tudo.

Vírus em paz após arrumar tudo

O VÍRUS toma outra função, o de agente organizador, ao sair arrumando todas as coisas que via pela frente, cadeiras, sofás e até abrir janelas. Ao ouvir o grito de desespero da POPULAÇÃO, entendeu que tinha de parar de fazer as pessoas sofrerem. Ficou em paz e se aquietou.

O tão temido MEDO, o contrário do AMOR, agora se transmuta, liberando força, junto com a VIDA, e a AJUDA NECESSÁRIA, nos fazendo considerar a importância dos aspectos que julgamos negativos.

A VIDA segue plena e a SOLUÇÃO dizia: ” Fiz tudo o que me mandaram!” – após dá voltas de joelhos em todos nós.

É preciso nos dobrar…nos diminuir…e parafraseando João, o Batista, dizer: “Importa que ELE – o Amor..a presença, cresça e eu diminua”. (João 3.30)

Grupo Social Anka Yin – Mauá.
Auzenir Campos
Professora do Instituto Imensa Vida, cujas formações de Curitiba acontecem no espaço Irum Tecendo Saberes.

Para você, que ainda não teve a oportunidade de constelar ou assistir a uma Constelação, confira a Constelação do Coronavírus, realizada pelo Instituto Bert Hellinger, na Alemanha. O vídeo é longo, mas vale a pena para entender que o vírus tem uma missão maior, com uma mensagem clara à humanidade.