Coronavírus: será que vamos apertar as mãos novamente?

abril 7, 2020 Por Ana Carvalho 0

por Drew Weisholtz*

O mundo como o conhecíamos definitivamente mudará se e quando a ameaça de contrair o coronavírus diminuir e voltarmos ao nosso cotidiano. É muito cedo para prever o que exatamente será diferente, mas não é exagero supor a possibilidade de que mesmo as pequenas coisas em que não pensamos se tornem medidas cautelosas.

Veja, por exemplo, o aperto de mão. Das salas de reuniões até os jantares, o aperto de mão faz parte de nossas interações tanto quanto um sorriso de mil watts, mas não há lugar para isso no mundo atual do distanciamento social.

Supondo que o nível de ameaça da pandemia se dissipe e que continuemos nossas vidas, o aperto de mão pode ser uma vítima de curto prazo do coronavírus.

“Acho que inicialmente as pessoas vão declinar. Acho que esse vírus realmente aumentou a conscientização das pessoas sobre como esses tipos de coisas se espalham e os riscos associados a ela”, disse Daniel Z. Lieberman, professor de psiquiatria e ciências do comportamento na Universidade George Washington, em Washington (EUA).

Lieberman acredita que, no futuro imediato, qualquer pessoa que tente oferecer um aperto de mão deve ser evitada.

“De certa forma, a pessoa que estende a mão é quase como um fumante. Ele está fazendo algo que atualmente é socialmente proibido”, afirmou.

O que substituirá o aperto de mão?

Então, isso levanta a questão: o que substituirá o aperto de mão?

“Eu acho que você ainda verá muitas pessoas fazendo acenos quando sairmos especialmente desse distanciamento social”, Lizzie Post, autora, co-presidente e porta-voz do Emily Post Institute.

Não vamos elogiar o aperto de mão. Sua extinção pode não estar no horizonte.

“Eu não acho que você verá, em uma reunião de negócios realmente padrão, três ou quatro anos depois que terminamos, pessoas fazendo batidas nos cotovelos ou batendo um pé para dizer olá”, disse Emily.

O ato de tocar é inerente ao nosso DNA

Os lembretes que recebemos diariamente sobre não nos aproximarmos muito dos outros são contrários à nossa necessidade inerente de tocar. A presença do aperto de mão em nosso DNA oferece algo que é vital para a nossa existência como seres humanos.

“Quando duas pessoas têm contato pele a pele, elas fazem coisas no cérebro que nada mais faz”, disse Lieberman.

Esse contato, acrescentou, “parece promover a liberação de um hormônio cerebral chamado ocitocina, que nos orienta para as relações sociais e provavelmente tem o efeito de fortalecer o vínculo social“.

E isso tem um efeito dominó. “Os laços sociais apoiam nossa saúde mental. Eles aumentam nossa felicidade. Eles apoiam nossa saúde física e também aumentam nossa prosperidade. Acho que não queremos tirar uma ferramenta tão poderosa quando não estamos mais enfrentando consequências de vida ou morte”, disse Lieberman.

Enquanto coisas como punhos ou cotovelos podem ser empregados, eles não têm o mesmo impacto ritualístico de apertar as mãos, segundo Lieberman, mesmo que tenham um efeito semelhante.

Apertar as mãos pode apresentar uma oportunidade de fazer uma conexão sem paralelo, mesmo em um mundo pós-coronavírus.

“Eventualmente, o risco vai desaparecer e vamos voltar à antiga linha de base de: bem, você pode aumentar o risco de pegar um resfriado, possivelmente a gripe, mas neste momento não será mais uma ato com risco de vida”, disse Lieberman. “E eu espero que as pessoas voltem a isso quando chegarmos a esse ponto”.

A ideia de que podemos apertar as mãos sem nos preocupar com a possibilidade de pegar uma doença é, na verdade, algo que pode estimular as pessoas.

“Eu acho que, uma vez que tenhamos permissão para fazê-lo, uma vez que nos sintamos seguros, uma vez que vejamos que nos reunir em espaços novamente não está espalhando uma doença entre todos nós, acho que a abraçaremos muito rapidamente. Acho que ficaremos aliviados “, disse Post.

Até aquele momento, porém, talvez apenas acene.

* Matéria originalmente escrita por Drew Weisholtz e publicado no Today (EUA) e traduzido pela Consonare.