Sexo é, sim, importante para seu relacionamento

maio 27, 2020 Por Ana Carvalho 0

por Alessandro Martins – terapeuta de Hipnose Erótica

Sim, sexo é necessário e fundamental em um relacionamento afetivo. Se não está rolando, busque ajuda ou busque outro relacionamento. O sexo, em uma expressão ampla e saudável, é necessário sim no relacionamento afetivo dos casais.

E não importa a idade nem a duração desse relacionamento. Já vi diversas vezes em posts de redes sociais que, depois de um tempo, o que importa é o modo como os dois conversam, como realizam seus planos, como resolvem seus conflitos, principalmente chegando a idades mais avançadas.

Todas essas coisas, sim, são importantes. Mas não espere que elas venham a se manifestar de forma satisfatória se a parte do sexo não estiver resolvida, ativa, energizada.

Erotismo tem diversas manifestações em todas as fases da vida

O erotismo tem diferentes maneiras de se manifestar em diferentes idades e em diferentes momentos da vida das pessoas e dos casais. E ele deve sempre estar presente, mesmo aos 90 anos ou mais.

Ele é a expressão física, energética, emocional e mental da potência positiva do ser frente ao mundo e, potencializada, manifesta-se no momento do encontro íntimo com o outro.

Não consiste só de penetração ou estimulação genital, mas permeia cada gesto do casal ou de outra configuração amorosa.

Nesse encontro entre duas ou até mais pessoas, há a fusão dinâmica das nossas energias masculinas e femininas – independentemente de nossa sexualidade ou identidade de gênero.

Ausência de sexo afeta outras esferas da vida

Ao mesmo tempo, se temos a liberdade de ficarmos o mais próximo possível de nossa verdade interior, harmonicamente, e desejarmos e expormos esse desejo com liberdade junto ao nosso par, tendo compreensão, afetividade, consentimento, relaxamento, esse potencial se expande para as outras esferas de nossa vida.

Por outro lado, se isso não acontece, não espere que as tais outras esferas se resolvam: o diálogo, a resolução de conflitos, os planos conjuntos e até mesmo as questões mais mundanas, como a financeira (que, claro, é muito importante também).

Não se engane: mesmo o que pode parecer solucionado será mera expressão neurótica de pessoas que, no fundo, se sentem incompletas.

De quantos casais você já ouviu falar que se desfizeram e, ainda assim, aquele que teve a iniciativa, partiu dizendo que “não sei… parecia tudo certo”?

Potencial manifestado no mundo começa na intimidade com o outro

Não imagine que teremos potência – amorosa e saudável – manifestada no mundo se não podemos nos expressar ao máximo onde mais deveríamos ter liberdade: na intimidade com o outro.

O outro que, supostamente amamos, sem medo, sem vergonhas, culpas e com um mínimo de reservas impostas pela sociedade. Se possível, sem nenhuma reserva.

Temos dois polos entre os quais oscilamos: o absolutamente psicótico e o absolutamente orgástico. No meio, as neuroses das mais variadas magnitudes.

Creio que o mais saudável é buscarmos o polo orgástico com toda a plenitude que esse direcionamento oferece. Dessa maneira, a nossa energia vai fluir melhor na vida a dois e em todos os outros papéis que desempenhamos.