Inteligência Artificial poderá detectar depressão?

julho 22, 2019 Por Ana Carvalho 0

A depressão é um enorme problema para milhões de pessoas, e muitas vezes é agravada pelo fraco apoio à saúde mental e pelo estigma. O diagnóstico precoce pode ajudar, mas muitos transtornos mentais são difíceis de detectar.

Os algoritmos de aprendizado de máquina que permitem que smartphones identifiquem rostos ou respondam a nossas vozes podem ajudar a fornecer uma maneira universal e barata de identificar os sinais precoces e obter tratamento onde é necessário.

Em um estudo realizado por uma equipe da Universidade de Stanford, cientistas descobriram que o software de face e fala pode identificar sinais de depressão com razoável precisão.

Máquinas aprendem a partir de combinação de sinais, expressões e tom de voz

Os pesquisadores alimentaram imagens de vídeo de pessoas deprimidas e não deprimidas em um modelo de aprendizado de máquina que foi treinado para aprender com uma combinação de sinais: expressões faciais, tom de voz e palavras faladas. Os dados foram coletados a partir de entrevistas nas quais um paciente falou com um avatar controlado por um médico.

Nos testes, foi capaz de detectar se alguém estava deprimido mais de 80% do tempo. A pesquisa foi liderada por Fei-Fei Li, um proeminente especialista em IA que recentemente retornou do Google para Stanford.

Enquanto o novo trabalho está em um estágio inicial, os pesquisadores sugerem que algum dia poderá fornecer uma maneira mais fácil para as pessoas serem diagnosticadas e ajudadas.

Distúrbios mentais são mais difíceis de detectar

“Em comparação com doenças físicas, os distúrbios mentais são mais difíceis de detectar”, escrevem os pesquisadores em um documento que foi apresentado na conferência NeurIPS AI, em Montreal. “A carga da saúde mental é exacerbada por barreiras ao tratamento, como estigma social, custo financeiro e falta de opções de tratamento acessíveis […] Essa tecnologia pode ser implantada em telefones celulares em todo o mundo e facilitar o acesso universal de baixo custo ao mental cuidados de saúde.”

Os pesquisadores alertam que a tecnologia não seria um substituto para um clínico. Eles acrescentam que os dados utilizados não incluíam nenhuma informação de saúde protegida, como nomes, datas ou locais. Eles também observam que mais trabalho seria necessário para garantir que a tecnologia não seja voltada para uma raça ou gênero em particular.

Justin Baker, um psiquiatra clínico do Hospital McLean, em Cambridge, Massachusetts, que estuda o uso de tecnologia para tratar doenças mentais, está impressionado com a forma como o sistema analisa o rosto, a voz e o idioma do paciente. “É muito legal porque é isso que os humanos fazem muito bem”, diz ele. Baker diz que a inteligência artificial e os smartphones poderiam ter um grande impacto se usados ​​com cuidado: “É emocionante e tem que ser feito muito bem com muita colaboração com especialistas clínicos”.

Mas David Sontag, professor assistente do MIT especializado em aprendizado de máquina e assistência médica, é cauteloso quanto à importância do trabalho. Uma pegadinha, diz ele, é que os dados de treinamento foram coletados durante uma entrevista com um clínico de verdade, ainda que por trás de um avatar, portanto não está claro se o diagnóstico poderia ser totalmente automatizado. “A linha de trabalho é interessante”, diz ele, “mas ainda não está claro para mim como isso será usado clinicamente”.

Ainda assim, novas abordagens para detectar e tratar as condições de saúde mental prometem tornar o tratamento mais acessível e talvez mais eficaz. Outro grupo de pesquisa em Stanford desenvolveu um chatbot para fornecer terapia comportamental cognitiva simples. Os pesquisadores dizem que a abordagem se mostrou eficaz e que muitos pacientes dizem preferir falar com uma máquina. Este ponto é apoiado por pesquisas acadêmicas.

Fonte: MIT